Pratica Zhan Zhuang

Prática de Zhan Zhuang

Zhan Zhuang (站椿) é um treinamento tradicional comum em várias artes marciais chinesas, principalmente em estilos internos – Nei Jia.  Zhan significa “estar em pé” e  Zhuang significa “como um poste” ou “como uma estaca”. É um treinamento de meditação em pé, no qual ficamos parados “como um poste”, imóveis, com a mente calma e a respiração abdominal fluindo suavemente.
O treinamento de Zhan Zhuang pode ser realizado utilizando-se várias posturas fixas, sendo a Postura da Árvore uma das mais conhecidas e praticadas.
Neste treinamento, o praticante fica parado em uma determinada postura para cultivar o relaxamento do corpo e da mente, aliviando tensões físicas e estresse mental. Como uma prática de meditação em pé, treina-se também a paciência, o foco no momento presente, a estabilidade mental, a serenidade e o autocontrole.

 

Três passos no Treinamento das posturas de Zhan Zhuang:

No treinamento de Zhan Zhuang, enquanto ficamos parados numa postura, devemos seguir três passos:
1) Xiu Shen – corrigir a postura do corpo
2) Jing Qi – afundar o Chi e nutrir a energia
3) Jing Xin – acalmar a mente


Alguns benefícios do treinamento de Zhan Zhuang:

– Ajuda a fortalecer as pernas e a criar uma raiz mais estável e equilibrada
– Ajuda no fortalecimento de vários grupos musculares da parte superior do corpo
– Ajuda a melhorar a respiração e fortalece o Chi – energia vital
– Ajuda a acalmar a mente e equilibrar as emoções
– Ajuda a cultivar a paciência, disciplina, resistência e autocontrole
– Ajuda a regular/nutrir a respiração (Tiao Xi) para fortalecer a energia interna (Chi)

Treinamento correto

Nas aulas de Tai Chi Chuan e Chi Kung do EQUILIBRIUS sempre praticamos Zhan Zhuang, como um treinamento básico e essencial para o fortalecimento do corpo e da mente. É um treinamento complementar às práticas de Tai Chi Chuan e Chi Kung para proporcionar mais benefícios aos praticantes.
Orientamos e ensinamos cuidadosamente todos alunos, para que todos possam praticar corretamente e obter os benefícios. Uma orientação adequada de um bom professor é fundamental para o crescimento e desenvolvimento do aluno.

 

Clique aqui e veja todas as notícias
Três Tesouros: Jing, Chi e Shen

Três Tesouros: Jing, Chi e Shen

Há três energias de imensa importância para nossa vida, conhecidas como os Três Tesouros ou San Bao (三寶). Também são chamadas de as Três Origens (San Yuan, 三元) ou as Três Raízes (San Ben, 三本), porque são consideradas as origens e raízes de nossa vida:

  • Jing (精): Essência
  • Chi (氣): Energia vital
  • Shen (神): Espírito

Recebemos essas energias, nossos Três Tesouros, de várias fontes principais: de nossos pais, pela hereditariedade; dos alimentos, pela ingestão; e do ar, pela respiração.

Várias práticas foram desenvolvidas pelos mestres orientais com o objetivo de nos ensinar a preservar, cultivar e fortalecer os Três Tesouros. Os praticantes de Tai Chi Chuan, Chi Kung e Meditação necessitam conhecer bem essas três energias para obterem melhores benefícios nos treinamentos. Elas são as raízes de nossa vida e nos proporcionam saúde, vitalidade e longevidade, se soubermos como preservá-las e empregá-las de maneira correta.

 

Jing (精)

A palavra chinesa “Jing” tem muitos significados, dependendo de como e onde é usada. Quando se refere à energia, significa “Essência”, a essência que existe em tudo. Jing pode ser considerada a fonte original da qual as coisas são feitas, a natureza verdadeira das coisas. Quando Jing se refere aos seres humanos, significa a fonte essencial da vida, é a energia essencial, o componente básico do corpo humano, e serve como a base da atividade vital do organismo.

O Jing é nossa energia ancestral, fonte de vida e crescimento, herdada da união sexual de nossos pais — Yang (essência masculina) e Yin (essência feminina). De acordo com a Medicina Tradicional Chinesa, o Jing que herdamos de nossos pais é chamado de Jing Original ou Jing Pré-Natal e “reside” em nossos rins após o nascimento. No Chi Kung chinês, é também chamado de Yuan Jing (元精).

A quantidade e qualidade do Jing Original é diferente de pessoa para pessoa. Ao nascer, temos uma quantidade do Jing definida e limitada que será o nosso “combustível” durante toda a nossa vida. Não é possível incrementar a quantidade desta energia (Jing Pré-Natal), mas podemos melhorar sua qualidade e consumi-la menos, por meio da prática do Tai Chi Chuan, Chi Kung e Meditação, de uma boa alimentação e de um estilo de vida saudável e equilibrado.

 

Chi ou Qi (氣)

Chi ou Qi significa “Energia Vital” ou “Energia Interna”, que circula nos meridianos de energia (canais de energia). A força promotora da atividade do corpo humano é o Chi. Seu fortalecimento promove a vida; sua dispersão provoca a deterioração do corpo e a morte. Segundo a Medicina Tradicional Chinesa, o Chi no corpo humano é formado por dois tipos: o Chi Original ou Chi Pré-Natal (Yuan Chi, 元氣), que é gerado a partir do Jing Original e é o mais importante; e o Chi Pós-Natal, que é absorvido da essência (Jing) dos alimentos e do ar. Essa essência é convertida em Chi Pós-Natal pelas reações bioquímicas nos pulmões e no sistema digestivo (baço-pâncreas).

O Chi no corpo humano é afetado pela qualidade do ar que inalamos, pelos tipos de alimentos que ingerimos, pelo nosso estilo de vida e estado emocional e mental. Cultivar essa energia e não desperdiçá-la é um dos objetivos do treinamento do Chi Kung. Pela prática do Tai Chi Chuan, Chi Kung e Meditação, a conversão do Jing em Chi se faz melhor, ocorrendo fortalecimento e equilíbrio do fluxo do Chi nos meridianos.

O Chi gera e nutre o Shen. Se o Chi for forte, é possível nutrir grandemente o Shen. Quando o Shen é energizado e elevado, o corpo físico será forte, as funções dos órgãos serão equilibradas, a mente permanecerá estável e nossa vida será saudável.

 

Shen (神)

A palavra chinesa “Shen” é geralmente traduzida como “Espírito” ou “Consciência” e representa uma energia do ser humano. No Chi Kung chinês, o Espírito Original é chamado de Yuan Shen (元神). Shen é derivado de Jing e Chi e tem uma base substancial (Jing + Chi = Shen). Quando o Chi é forte, haverá Shen; quando o Chi é fraco ou ausente, o Shen será fraco.

Enquanto vivos, Shen é o espírito que dirige nossa mente. Se ela não está estável, o espírito não estará em paz. É possível treinar para acalmar a mente e equilibrar as emoções e, consequentemente, elevar e pacificar o espírito/consciência. Quando o corpo é saudável e a energia vital (Chi) é forte, somos capazes de usar a mente para nutrir, energizar e elevar o Shen. Quando nosso Chi é abundante e nutre o Shen, seremos capazes de conectar o nosso espírito ao espírito da natureza, alcançando a sabedoria plena. Esse estágio é chamado pelos chineses de “Unificação do Céu e do Homem” – Tian Ren He Yi (天人合一).

Os chineses dizem que o nosso espírito vem de nosso coração e revela-se pela nossa mente. Também acreditam que, quando nosso Shen atinge um estado elevado e forte, somos capazes de sentir, entender e intuir as coisas com mais nitidez. Nossa mente fica com mais clareza, equilíbrio, criatividade e sabedoria.

 

Cultivo dos Três Tesouros

Na prática das artes corporais chinesas como o Tai Chi Chuan, Chi Kung e Meditação, aprende-se como “firmar ou conservar o Jing”, “fortalecer o Chi” e “elevar o Shen”. Esse processo natural de conversão de Jing em Chi e Chi em Shen, permite ao praticante ter muita saúde, calma mental e longevidade. Preservar, cultivar e fortalecer essas três energias básicas, esses Três Tesouros, são os principais objetivos do treinamento.

 

As informações e ensinamentos do texto acima foram extraídos do Livro “Tai Chi Chuan – Saúde e Equilíbrio” com a autorização do autor.

 

Clique aqui e veja todas as notícias
Meditação reduz o estresse e a ansiedade

Pesquisas concluíram que a Meditação reduz o estresse e a ansiedade

Há muito tempo se sabe que a prática da Meditação reduz o estresse e a ansiedade. O desempenho antiestresse da Meditação também acontece porque a mente aquietada diminui a produção de adrenalina e cortisol — hormônios secretados nas situações de estresse — ao mesmo tempo em que estimula no cérebro a produção de endorfinas — tranquilizante e analgésico natural responsável pela sensação de leveza nos momentos de alegria e relaxamento.

Diversos estudos sobre a Meditação mostraram que a prática regular proporciona um estado muito mais profundo de relaxamento do que um simples descanso com os olhos fechados, e que a redução do estresse fisiológico pela Meditação é intensa e cumulativa. As técnicas de Meditação ajudam o corpo e a mente a entrar em um estado de relaxamento, contribuindo para um equilíbrio emocional maior e diminuição dos níveis de ansiedade.

A pesquisa científica “Meditação como uma intervenção na reatividade ao estresse”, realizada nos Estados Unidos, mostrou que a Meditação pode proporcionar uma excelente recuperação ao estresse. Um grupo de 60 pessoas, sendo 30 meditadores experientes e 30 pessoas do grupo controle, foi submetido a um estímulo de estresse. Foi verificado que o grupo com experiência na prática da Meditação se recuperava mais rápido da excitação e do estresse, ou seja, os meditadores experientes, após o término do estressor, tinham a frequência cardíaca e a resposta de condutividade da pele diminuída mais rapidamente, o que indicava uma capacidade de habituação mais rápida ao estresse.

Em 2014 foi realizado um estudo com 15 indivíduos saudáveis e sem experiência prévia na Meditação, que participaram durante 4 dias de um treinamento de Meditação. Após esse treinamento, várias medições nesses participantes apontaram alívio no nível de ansiedade. A Meditação reduziu significativamente o estado de ansiedade em todas as sessões de que participaram. Esses resultados fornecem evidências de que a Meditação atenua a ansiedade por meio de mecanismos envolvidos na regulação das emoções pela estabilização dos processos de atenção e treinamento da calma mental.

Outro estudo, publicado no The American Journal of Psychiatry, foi realizado para determinar a eficácia de um programa de redução do estresse baseado na Meditação para tratamento de pacientes com transtornos de ansiedade. Os 22 participantes selecionados para o estudo sofriam de transtorno de ansiedade generalizada ou transtorno de pânico com ou sem agorafobia. O programa de Meditação foi realizado durante 10 semanas, sendo duas horas semanais de aulas com um instrutor e algumas práticas que deveriam ser feitas em casa pelos participantes. Avaliações foram obtidas semanalmente antes e durante o programa de redução do estresse e relaxamento baseado na Meditação, e mensalmente durante o período de acompanhamento de 3 meses. Análises de medidas documentaram reduções significativas nos escores de ansiedade e depressão após a intervenção com a prática de Meditação para os participantes. O número de indivíduos com sintomas de pânico também foi substancialmente reduzido.  A conclusão do estudo indicou que um programa de treinamento de Meditação pode efetivamente reduzir os sintomas de ansiedade e pânico e pode ajudar a manter essas reduções em pacientes com transtorno de ansiedade generalizada, transtorno do pânico ou transtorno do pânico com agorafobia.

Diversos outros estudos estão sendo realizados para reforçar a comprovação que a Meditação reduz o estresse e a ansiedade, além de proporcionar outros benefícios para a saúde e, também, como um tratamento para várias doenças e problemas de saúde. Devido a todos estes benefícios, a Meditação é uma das 29 Práticas Integrativas e Complementares oferecidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

As informações e pesquisas citadas acima foram extraídas do Livro “Meditação – Teoria, Prática e Exercícios Respiratórios” com a autorização do autor.

 


Referências:

ZEIDAN, Fadel et al. Neural correlates of mindfulness meditation-related anxiety relief. In: Social Cognitive Affective Neuroscienc Journal, v. 9, ed. 6, Jun. 2014.

GOLEMAN, D. J.; SCHWARTZ, G. E. Meditation as an intervention in stress reactivity. In: Journal of Consulting and Clinical Psychology.

KABAT-ZINN, Jon at al. Effectiveness of a meditation-based stress reduction program in the treatment of anxiety disorders. The American Journal of Psychiatry – 1992


 

Clique aqui e veja todas as notícias