EQUILIBRIUS

EQUILIBRIUS EAD

Dez Princípios Tai Chi Chuan

Os Dez Princípios Essenciais do Tai Chi Chuan

por Mestre Yang Chengfu

Os Dez Princípios Essenciais do Tai Chi Chuan da Família Yang foram criados e estruturados pelo Mestre Yang Chengfu, 3ª geração da Família Yang. São um guia para a prática correta e formam uma moldura para uma vida de estudo e prática. Mais que uma série de conceitos abstratos, os Dez Princípios são a soma de gerações de questionamentos da natureza da mente, do corpo e do movimento. Cada princípio é dinamicamente ligado a um resultado prático e quando todos os aspectos são precisamente aplicados, o resultado é a maravilhosa expressão de graça, força, harmonia e equilíbrio, presentes no Estilo Tradicional de Tai Chi Chuan da Família Yang.

Mestre Yang Zhenduo dizia: “O ponto principal para os praticantes é seguir os princípios básicos de maneira que eles sejam dinâmicos e expressos pelo corpo inteiro. Eles não podem permanecer como ideias soltas. Sem aplicar estes princípios você não terá sucesso na Arte do Tai Chi Chuan”.

  1. Energia leve e sensível no topo da cabeça: Fique ereto e mantenha a cabeça e o pescoço naturalmente eretos com a mente concentrada no topo da cabeça. Não tencionar demais, pois isto não permite que o sangue e a energia vital circulem suavemente. A coluna vertebral também fica ereta durante os movimentos, ajudando o corpo a ficar no centro.
  2. Afundar o peito e arredondar as costas: Mantenha o peito ligeiramente para dentro e as costas arredondadas, o que o capacita a afundar ou submergir a respiração no Tan Tien, no baixo ventre. Não deixe o peito para fora, pois isto vai fazer com que a respiração torne-se difícil e de alguma forma a parte superior do corpo ficará pesada, dificultando o enraizamento do corpo.
  3. Relaxar a cintura: Quando relaxamos a cintura, os dois pés terão força o suficiente para formar uma base sólida. Todos os movimentos dependem da ação da cintura que coordena a parte superior e inferior do corpo. Os movimentos desajeitados no Tai Chi Chuan surgem de ações erradas da cintura. A cintura deve ser flexível na prática do Tai Chi Chuan.
  4. Discernir cheio e vazio: É muito importante no Tai Chi Chuan distinguirmos entre o Cheio (Shi) e o Vazio (Xu). Se o peso do corpo está na perna direita, então a perna direita está cheia e a esquerda está vazia, e vice-versa. Quando conseguimos separar o cheio do vazio, giramos o corpo levemente sem usar força. Se não conseguimos separar, o passo é pesado e vagaroso e a posição não é firme, não fornecendo equilíbrio.
  5. Afundar os ombros e cotovelos: Devemos manter os ombros na posição natural e relaxados. Se elevamos os ombros, o Chi vai subir com eles, a parte superior do corpo ficará pesada e todo o corpo vai ficar sem força. Devemos também manter os cotovelos para baixo, senão não seremos capazes de manter os ombros relaxados e não conseguiremos mover o nosso corpo de forma suave.
  6. Usar a mente e não a força: Na prática do Tai Chi Chuan, todo o corpo está relaxado e não há ideia de força bruta ou endurecida nos músculos e juntas durante os movimentos do corpo. Se os meridianos não estiverem bloqueados a energia vital vai circular no corpo inteiro. Mas, se os meridianos forem preenchidos com força bruta, a energia vital não será capaz de circular e, consequentemente, o corpo não vai se mover facilmente ou suavemente. Deve-se assim usar a mente ao invés da força bruta, pois assim a energia vital irá seguir a consciência e circular por todo o corpo. Através da prática persistente seremos capazes de cultivar e desenvolver uma força interna genuína. Isto é o que os mestres de Tai Chi Chuan chamam de: “Flexível na aparência, mas poderoso na essência”.
  7. Coordenar o superior e o inferior: De acordo com a teoria do Tai Chi Chuan, a raiz está nos pés, a força é emitida através das pernas, controlada pela cintura e expressa nas mãos. Os pés, pernas, cintura e braços formam um todo harmonioso. Quando as mãos, a cintura e as pernas se movem, os olhos devem seguir o seu movimento. Isto pode acontecer quando houver coordenação entre a parte superior e inferior. Se alguma parte para de mover-se, então os movimentos serão desconectados e cairão em desordem.
  8. Harmonia entre o interno e o externo: Praticando o Tai Chi Chuan o foco está na mente e na consciência. Assim dizem: “O Espírito (Consciência) é o comandante e o corpo é o subordinado”. Se podemos elevar o Espírito com a mente tranquila, então os movimentos serão naturalmente suaves e graciosos. As posturas não vão além do cheio e vazio, abrindo e fechando. Aquilo que é chamado abrir, significa que não apenas as mãos e os pés estão abertos, mas a mente também está aberta. Quando pudermos fazer com que o de dentro e o de fora se tornem um, a coordenação será completa e a perfeição será atingida.
  9. Importância da continuidade: Na prática do Tai Chi Chuan focalizamos a atenção na mente e não na força, e os movimentos de início ao final são contínuos e circulares com uma velocidade constante. Assim se diz: “É como um grande rio correndo incessantemente”. Não somente os movimentos são contínuos, mas a energia deve fluir continuamente durantes os movimentos.
  10. Tranquilidade no movimento: No Tai Chi Chuan o movimento é combinado com a calma mental e enquanto se executa os movimentos se mantém a tranquilidade da mente. Na prática das “Formas”, quanto mais lento o movimento, melhores resultados são conseguidos. Isto acontece porque quando os movimentos são lentos, pode-se respirar profundamente e submergir o Chi no Tan Tien. Isto produz um efeito suavizante no corpo e na mente. Aprendizes de Tai Chi Chuan irão conseguir uma melhor compreensão de tudo isto, através de estudo cuidadoso e prática persistente.

Pin It on Pinterest

Chat
Agradecemos seu contato. Como podemos ajudar?